Governo turco envia tanques e tropas para fronteira com a Síria

Ministro do Interior diz que situação está sob controle após granadas disparadas pelo EI caírem na Turquia

MURSITPINAR, TURQUIA, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2014 | 02h03

A Turquia posicionou ontem tanques e tropas perto de uma base militar em uma colina com vista para a cidade fronteiriça de Kobani, na Síria, depois que pelo menos dois projéteis disparados por extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) caíram em território turco. Kobani está sitiada pelo EI.

Segundo a agência Reuters, pelo menos 30 tanques e blindados, preparados para uma ofensiva contra o lado sírio da fronteira, foram levados para a região. "Temos o controle total da fronteira. Aumentamos as medidas de segurança na região de Suruc", afirmou o ministro do Interior turco, Efkan Ala, referindo-se à região turca que divide território com Kobani.

Em Istambul, ao ser questionado sobre uma possível resposta da Turquia caso os combatentes do EI forcem a fuga de combatentes curdos para o lado turco, o ministro respondeu que eles não poderiam entrar no país armados. "Não seremos complacentes com a entrada de grupos armados em nosso país", afirmou. "Quem estiver fugindo da violência deve abandonar suas armas antes de entrar na Turquia."

De acordo com a ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos, que monitora a guerra civil síria, 15 granadas de morteiro atingiram Kobani, matando ao menos uma pessoa. Rami Abdulrahman, diretor da ONG, afirmou que depois dos ataques os combatentes do EI avançaram suas posições em 5 km.

O ataque do EI contra Kobani, cidade de maioria curda também conhecida pelo nome de Ayn al-Arab, começou há mais de uma semana, forçando cerca de 150 mil moradores curdos a se refugiar na Turquia.

"As pessoas estão deixando a cidade em razão dos bombardeios. As forças turcas têm armas curtas enquanto que o Estado Islâmico tem tanques e armas pesadas", afirmou Xelil, um engenheiro de 39 anos que fugiu ontem de Kobani. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.