Governo turco faz campanha para mudar Constituição

O governo da Turquia está promovendo uma campanha para um referendo que acontecerá em 12 de setembro, sobre a Constituição do país, um legado do golpe militar de 1980. O ministro da Justiça, Sadullah Ergin, disse hoje que as reformas tornarão a Turquia um país mais democrático e também impulsionarão o pedido de Ancara para aderir à União Europeia (UE).

AE-AP, Agência Estado

27 de julho de 2010 | 20h01

O referendo propõe a aprovação ou não de várias emendas à Constituição turca, que entrou em vigor em 1982, dois anos após o golpe militar. Entre as mudanças propostas, os principais comandantes militares do país poderão ser julgados em tribunais civis, e o Parlamento terá mais poderes para indicar juízes.

Ergin rechaçou acusações da oposição, de que o governo atual, de raízes islâmicas, procura reduzir a independência dos tribunais para acelerar a implementação da sua agenda. Nos últimos anos, o poder dos círculos seculares foi reduzido na Turquia. Sem citar provas, o ministro disse que o referendo sofre a oposição de "forças" que temem a perda de poderes, como "círculos políticos, círculos do judiciário e da administração, de todos os lugares".

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaConstituiçãomudança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.