RONALDO SCHEMIDT / AFP
RONALDO SCHEMIDT / AFP

Governo venezuelano divulga vídeo de Leopoldo López após boatos de sua morte

Na TV estatal, dirigente chavista Diosdado Cabello exibe gravação em que político envia 'mensagem de fé' para sua família'; Lilian Tintori, mulher do opositor, diz não acreditar na gravação e denuncia que não consegue visitar o marido há um mês

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2017 | 10h20
Atualizado 04 Maio 2017 | 10h41

CARACAS - O governo da Venezuela divulgou na madrugada desta quinta-feira, 4, um vídeo do líder opositor Leopoldo López, gravado em sua cela, após rumores sobre sua morte nas redes sociais.

"Esta é uma mensagem de fé para minha família. Hoje é 3 de maio, são nove da noite", diz López no vídeo, divulgado no programa do dirigente chavista Diosdado Cabello na TV estatal (veja abaixo).

López, que cumpre desde 2014 uma pena de quase 14 anos na prisão militar de Ramo Verde, subúrbio de Caracas, aparece de camiseta branca, de pé e com os braços cruzados. Na gravação, ele se dirige à mulher, Lilian Tintori, que diante dos boatos seguiu na noite de quarta-feira para Ramo Verde em busca de informações sobre o marido.

"Esta mensagem é para Lilian. Não entendo a razão pela qual é preciso dar esta prova de vida neste momento. Envio a mensagem à minha família, a meus filhos, e lhes digo que estou bem."

Após a divulgação do vídeo, no entanto, Lilian questionou a autenticidade da gravação e afirmou que insistirá até que consiga ver seu marido - ela denuncia que as autoridades não lhe permitem ver López há um mês, desde que começou a atual onda de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, e afirma que o político opositior está isolado na prisão.

"Não posso dar nenhuma informação com certeza até que eu veja Leopoldo e ele me diga o que está acontecendo. Não em um vídeo editado de Diosdado Cabello, de quem não acredito em nada", disse Lilian a jornalistas do lado de fora da prisão. "Não ficarei tranquila até que veja Leopoldo pessoalmente."

A mulher do político opositor também colocou em dúvida o fato de ele estar realmente em sua cela na prisão militar e afirmou que o vídeo não prova quais são as condições em que seu marido se encontra. "Não permitem visitas, mas permitem que Diosdado grave vídeos de Leopoldo", declarou, questionando também a atuação dos guardas da prisão.

Por fim, ela acusou o próprio deputado chavista e o governo de Nicolás Maduro de difundir as informações sobre o suposto traslado de López para um hospital militar para retirar a atenção dos opositores dos protestos contra o presidente realizados há mais de um mês no país.

Os boatos começaram após uma mensagem no Twitter do comunicador venezuelano Leopoldo Castillo, que vive em Miami, que dizia: "Informação traslado de Leopoldo Lopez de Ramo Verde ao Hospital Militar, sem sinais vitais. Regime maneja hipótese de intoxicação".

De imediato, uma avalanche de mensagens no Twitter reproduziram a informação: "Confirmei que Leopoldo López foi levado ao hospital militar em condição muito séria", disse o senador republicano americano Marco Rubio. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.