EFE/Jeffrey Arguedas - 13/02/14
EFE/Jeffrey Arguedas - 13/02/14

Governo venezuelano liberta ativista opositor Lorent Saleh

Político foi preso em 2014 na Colômbia e extraditado pelo então presidente colombiano Juan Manuel Santos, em uma ação fortemente criticada por grupos de direitos humanos

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2018 | 03h04

CARACAS - As autoridades venezuelanas libertaram o ativista opositor Lorent Saleh, preso há quatro anos na carceragem do Serviço de Inteligência da Venezuela (Sebin), em Caracas. Segundo o governo de Maduro, Saleh viajou para a Espanha no mesmo dia para encontrar com a mãe.

De acordo com a Comissão para a Verdade, Justiça, Paz e Tranquilidade Pública, órgão da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela que investiga casos de violência política, o ativista passou uma avaliação psiquiátrica que indicou tendência suicidas enquanto estava na prisão e foi decidido que ele seria solto para aliviar as tensões envolvendo a prisão de opositores no país.  

Saleh foi preso na Colômbia em 2014 e extraditado pelo então presidente colombiano Juan Manuel Santos após ser visto em uma videoconferência planejando ataques contra alvos políticos na Venezuela. A extradição do político foi fortemente criticada por grupos de direitos humanos.

A soltura de Saleh ocorre quatro dias após a morte do vereador opositor Fernando Albán, que, segundo o governo, cometeu suicídio ao se jogar do décimo andar da Sebin. A oposição afirma que Alban havia sido torturado até a morte. //ASSOCIATED PRESS, AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.