Miguel Gutiérrez/EFE
Miguel Gutiérrez/EFE

Governo venezuelano pede apoio a empresários

Fedecámaras, uma das principais entidades patronais do país, elogia ‘tom respeitoso’ de Maduro e qualifica como ‘excelente’ a primeira fase do diálogo

O Estado de S. Paulo,

24 de abril de 2014 | 00h27

CARACAS - Horas antes de Nicolás Maduro detalhar sua "ofensiva econômica", integrantes do governo venezuelano se reuniram na quarta-feira, 23, com empresários para pedir apoio à iniciativa contra o desabastecimento. A ofensiva para combater a crise econômica foi anunciada no dia 16 pelo presidente com o objetivo de aumentar a produção e o crescimento, garantir o abastecimento pleno e estimular a adoção de preços justos.

Após a reunião de quarta, batizada de Conferência Econômica pela Paz, Maduro afirmou que a segunda fase da ofensiva econômica será focada em produção, abastecimento e "preços justos". Nesta quinta-feira, 24, no Diário Oficial, será publicada uma lista de 50 produtos que devem obedecer a um "equilíbrio de abastecimento" e ao "mecanismo oficial de fixação de preços". O presidente anunciou ainda que pagará 30% da dívida do Estado com setores privados "prioritários". Ele disse ainda que chegou a um acordo com as montadoras Toyota, Mitsubishi e Chrysler para estabelecer um novo preço para os carros.

Na terça-feira, Maduro havia antecipado que o governo continuará com as inspeções de comércio para fazer valer a lei do "preço justo" a partir de sexta-feira. A perspectiva de novas "fiscalizações" despertou a preocupação do Conselho Nacional do Comércio e Serviços, que pediu ao governo esclarecimento sobre as regras antes de começar a aplicar multas e fechar estabelecimentos.

Na quarta-feira, no entanto, o empresário Jorge Roig, presidente da Fedecámaras (federação de comércio na Venezuela), qualificou de "excelente" a rodada de diálogo com o governo. Demonstrando um surpreendente otimismo, ele elogiou o "tom respeitoso" de Maduro com os empresários.

No dia 27 de fevereiro, Maduro lançou um diálogo nacional de paz com diferentes setores, incluindo a iniciativa privada. Um inédito encontro com dirigentes das cúpulas empresariais foi realizado no Palácio de Miraflores. Depois de meses de ataques mútuos, governo e empresários moderaram o tom nas últimas semanas e realizaram reuniões públicas e privadas.

Chamado pelo governo de Plano para o Abastecimento Pleno, a nova estratégia, segundo Maduro, tem características diferentes das ações implementadas em novembro, quando o governo congelou o valor dos aluguéis comerciais, ordenou a prisão de comerciantes que remarcassem ou cobrassem "preços injustos" e criou um órgão estatal para conter a valorização do dólar. O combate ao que o presidente chama de guerra econômica será, segundo ele, a ação mais importante de seu governo neste ano. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.