REUTERS/Ueslei Marcelino
REUTERS/Ueslei Marcelino

Governo venezuelano proíbe manifestações que 'prejudiquem' Constituinte

Ministro do Interior, Néstor Reverol, afirmou que os 'delitos eleitorais' serão punidos com penas de cinco a dez anos de prisão; coalizão opositora convocou marcha na capital Caracas para pressionar o presidente Nicolás Maduro

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2017 | 15h20

CARACAS - O governo venezuelano anunciou que a partir desta sexta-feira ficam proibidas as manifestações que possam afetar as votações de domingo para eleger os membros da Assembleia Constituinte e alertou que os "delitos eleitorais" serão punidos com penas de cinco a dez anos de prisão.

"Fica proibido em todo território nacional as reuniões e manifestações públicas, concentrações de pessoas e qualquer outro ato similar, que possam perturbar ou afetar o normal desenvolvimento do processo eleitoral", afirmou o ministro de Interior, general Néstor Reverol, um dia antes de uma grande marcha opositora marcada para Caracas.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) convocou para a sexta-feira uma mobilização batizada de "tomada de Caracas" como parte de sua pressão para que o governo de Nicolás Maduro desista de reformar a Constituição do país.

Além disso, também a partir de sexta-feira as Forças Armadas do país assumirão o controle de vários órgãos dos Estados e dos municípios até o fim do processo eleitoral de domingo. "Temos uma equipe de membros credenciados das Forças Armadas Nacional Bolivariana (...) que será responsável e terá controle operacional da polícia estadual e de 19 corpos policiais municipais", disse Reverol em pronunciamento ao lado dos responsáveis pela Defesa e pelo Poder Eleitoral do país.

O ministro confirmou ainda que medidas comuns em dias de votação estarão em vigor no país, como o controle reforçado nos acessos fronteiriços, a proibição de venda de bebida alcoólica e o deslocamento de maquinário pesado. Reverol também ratificou a proibição da comercialização de artefatos pirotécnicos e de elevação com o uso de combustível sólido.

A eleição dos membros da Assembleia Constituinte está prevista para ocorrer em meio a numerosos atos de desobediência civil promovidos pela MUD para tentar impedir o processo, qualificado pelos opositores como fraudulento. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.