Governos buscam caminhos para sair da quarentena sem provocar novo surto 

Governos buscam caminhos para sair da quarentena sem provocar novo surto 

Sem plano que sirva de modelo, especialistas buscam equilíbrio entre o temor de uma 2ª onda de contágios e a necessidade de retomada econômica

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2020 | 04h00

NOVA YORK  - Países do mundo todo estudam protocolos para afrouxar o isolamento e reativar a economia, mesmo com a pandemia de coronavírus ainda em expansão. Nas discussões, o problema que todos enfrentam é o mesmo: não há um plano-padrão. Agora, a missão dos governos será retomar a atividade econômica sem desencadear uma segunda onda de infecções, que provocaria nova quarentena e mais prejuízos. 

A história serve como alerta: a gripe espanhola, que infectou um quarto da população mundial e matou milhões de pessoas entre 1918 e 1920, foi e voltou várias vezes e só foi contida após a terceira onda. Por enquanto, todos os olhos estão voltados para a cidade de Wuhan, origem do surto atual, onde esta semana a quarentena de 76 dias foi suspensa pelo governo da China.

“Temos de reabrir de alguma forma. Não podemos ficar assim por 20 meses”, disse Michael Osterholm, diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota. “Se ficarmos tanto tempo fechados, como Wuhan, destruiremos a sociedade como a conhecemos.” 

A reabertura, no entanto, exigiria exames para identificar anticorpos e determinar as comunidades menos afetadas. “Por enquanto, esses testes não estão validados na maioria dos países”, disse David Heymann, professor de epidemiologia da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres. “Até que estejam disponíveis, será um jogo de adivinhação.”

Por isso, especialistas recomendam ações graduais e pedem que as autoridades estejam preparadas para contratempos em um processo que pode durar meses. Em Wuhan, embora carros, trens e aviões tenham voltado a operar, algumas restrições permanecem. Moradores, por exemplo, precisam provar que estão indo para o trabalho para serem autorizados a sair de casa. Autoridades dizem que o vírus está sob controle, mas continuam cautelosas, temendo um novo surto. 

Na Ásia, o risco de uma segunda onda é real. Cingapura e Hong Kong foram forçados a adotar novas restrições, o que mostra que mesmo países que tiveram sucesso inicial em conter o surto têm pouco espaço para complacência. Na quarta-feira, Cingapura registrou 142 novas infecções, e pelo menos 40 delas foram em dormitórios de trabalhadores estrangeiros de baixa remuneração.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

A preocupação é que, por mais que a taxa de infecção caia, na ausência de uma vacina, o vírus voltará assim que o isolamento for suspenso. Por isso, nos EUA, um grupo de especialistas criou um roteiro de abertura gradual, que pede um estágio intermediário no qual escolas e empresas reabram, mas as reuniões ainda sejam limitadas. Se os casos começarem a subir de novo, restrições seriam impostas novamente.

Foi essa a abordagem escolhida pela Áustria. Lojas de ferragens e de jardinagem, além de pequenos estabelecimentos, poderão abrir após a Páscoa. A partir de 1.º de maio, segundo anunciou o chanceler, Sebastian Kurz, a permissão se estende a todos os varejistas. 

Dinamarca e Noruega também planejam reduzir gradualmente as restrições, começando com a reabertura das escolas, mas mantendo o veto a grandes aglomerações em locais públicos. “A Noruega conseguiu controlar o vírus”, disse a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg. “O trabalho agora é manter esse controle.”

Mas, abrir economias relativamente pequenas, como Noruega e Áustria, é mais fácil do que fazer a engrenagem rodar em países do G-20. Na Itália, o governo já sinalizou que as atividades de algumas empresas poderão voltar a partir da semana que vem. Se a situação continuar melhorando, algumas lojas poderão reabrir no início de maio, embora bares e restaurantes permanecerão fechados. 

 

Com aviões comerciais presos em solo, cadeias de suprimentos rompidas e fábricas ociosas, a economia global de US$ 90 trilhões sofre o pior choque desde a Grande Depressão, quando o PIB mundial caiu cerca de 15%, entre 1929 e 1932. 

Mas, infelizmente, segundo especialistas, não há um mapa do caminho que os governos posam usar para decidir quando e como pisar no acelerador após uma interrupção tão abrupta das atividades econômicas, especialmente quando a retomada coloca em risco a vida de mais pessoas.

“Todo mundo quer voltar à normalidade, mas não há nada que eu saiba que consiga prever onde um novo surto está surgindo”, disse Eric Topol, diretor do Instituto de Pesquisa Scripps, da Califórnia. “Se não houver uma maneira de manter as pessoas sob algum tipo de vigilância para ver se o vírus está voltando, será uma receita para o fracasso.”

Tudo o que sabemos sobre:
quarentenacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Falta de dados afeta planos pós-quarentena no Brasil

Epidemiologistas e infectologistas dizem que ainda falta muito conhecimento sobre a epidemia brasileira para que um plano seguro de saída do isolamento comece a ser traçado

Roberta Jansen / Rio, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2020 | 04h00

Epidemiologistas e infectologistas dizem que ainda falta muito conhecimento sobre a epidemia brasileira para que um plano seguro de saída do isolamento comece a ser traçado. E alertam: um levantamento abrupto das restrições pode levar a uma segunda onda da covid-19, ainda mais letal.

Uma informação crucial que ainda falta às autoridades sanitárias brasileiras é a exata dimensão da epidemia – uma vez que todas as projeções apontam para uma subnotificação em grande escala. Sem esse dado é igualmente impossível saber também quantas pessoas já foram infectadas e se curaram -- quantas já são imunes à doença.

O epidemiologista Pedro Hallal, reitor da Universidade Federal de Pelotas, calcula que ainda faltam dez dias para o ponto máximo da epidemia no Brasil. A estimativa coincide com a de outros grupos e do próprio Ministério da Saúde. Mas, até lá, o número de casos ainda pode subir muito, dependendo da adesão da população ao distanciamento social.

“Por mais duas semanas, o número de mortes ainda continuará aumentando”, afirmou Hellal. “A decisão de retomar as atividades tem de ser feita com a devida segurança. No momento, a única maneira segura de recompor a força de trabalho é com a testagem em massa, a identificação dos imunizados e a reinserção paulatina dessas pessoas no mercado.”

Para o epidemiologista, parte das pessoas tem a percepção errada de que o levantamento das restrições seria total. “Não é uma chave de luz que eu desliguei e depois vou ligar de novo”, comparou Hellal. “Esse ‘ligar’ será gradativo. O setor produtivo terá de entender que, sem uma vacina, não teremos um momento 100% imunizado.”

Opinião semelhante tem o infectologista Fernando Bozza, chefe do Laboratorio de Medicina Intensiva do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, da Fiocruz. “A informação central que não temos hoje é qual é a taxa de imunidade de rebanho, quanto da população já está imune ao vírus”, afirmou. 

“Este é um dos parâmetros mais importantes para planejarmos a saída. Se essa taxa ainda for muito baixa, ou seja, se houver um grande número de pessoas não imunes, o risco de termos uma segunda onda é muito alto.”

Segundo Bozza, ainda estamos longe desse momento. “Estamos na fase de ascensão da curva, pelo menos até o fim de abril. O ideal agora é que todo mundo ficasse quieto, a mensagem para a população ainda é de restrição”, explicou. “Na verdade, alguns governos ainda terão de apertar mais as restrições, com multas e prisões.”

Para o infectologista Antônio Flores, da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul, o grande ponto cego hoje para as autoridades é o tamanho da epidemia. “Quando conseguirmos saber quem já está imunizado e onde estão os focos da doença, poderemos pensar em tomar medidas de isolamento mais focadas”, disse. “Hoje, as informações ainda são muito rudimentares para fazer qualquer planejamento.” 

Tudo o que sabemos sobre:
Brasil [América do Sul]coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.