Governos cobiçam contratos da ONU

Nos bastidores das operações de paz e das missões humanitárias da ONU, Estados disputam contratos milionários para fornecer serviços e bens para essas iniciativas. Nos últimos anos, a organização transformou-se numa verdadeira mina de contratos, ao ponto de governos passarem a se organizar para permitir que suas empresas tenham maiores chances de vencer licitações abertas pelas Nações Unidas em diversos países.

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE, Agência Estado

06 de janeiro de 2013 | 08h26

Documentos obtidos pelo Estado revelaram que, entre 2007 e 2011, a ONU promoveu licitações e adquiriu bens no valor US$ 56 bilhões em todo o mundo, um montante recorde usado para comprar desde pneus e gasolina para seus carros até alimentos e barracas para refugiados. Nos últimos seis anos, a ONU pagou a empresas e entidades brasileiras quase US$ 1 bilhão em troca de serviços e bens.

Diante de contratos milionários, governos de todo o mundo vem mantendo uma disputa acirrada pelos maiores acordos e não hesitam em usar sua influência política e poder de barganha para garantir que parte dessa fortuna venha para suas próprias empresas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUmissão humanitária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.