Governos da UE atenuam sanções ao petróleo da Síria para ajudar rebeldes

Governos da União Europeia concordaram nesta segunda-feira em atenuar as sanções à Síria de modo a permitir a compra de petróleo da oposição e contribuir para a derrubada do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Reuters

22 de abril de 2013 | 20h55

A decisão, tomada em uma reunião de ministros de Relações Exteriores da UE em Luxemburgo, permitirá que importadores europeus comprem petróleo bruto da Síria, desde que a Coalizão Nacional Síria, o principal grupo oposicionista, autorize.

As sanções haviam sido impostas em 2011, em resposta à brutal repressão de Assad a protestos pró-democracia. Dois anos depois, o conflito é uma guerra civil que já matou estimadas 70 mil pessoas.

Autoridades da UE disseram que haverá também mais assistência de outros tipos à oposição síria e que empresas europeias poderão retomar seus investimentos na infraestrutura petrolífera síria, desde que o dinheiro seja destinado aos rebeldes.

A compra de petróleo sírio será complicada por questões de segurança e infraestrutura, mas autoridades disseram que poderá ser oferecida mais ajuda financeira.

(Reportagem de Justyna Pawlak e Adrian Croft)

Tudo o que sabemos sobre:
UESIRIASANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.