Governos investigam possível especulação por Bin Laden

Autoridades de vários países suspeitam que o dissidente saudita Osama Bin Laden ou alguns de seus aliados possam ter obtido grandes lucros no mercado financeiro com os ataques terroristas contra os Estados Unidos. Segundo a BBC, Alemanha, Japão e os Estados Unidos estão investigando movimentos atípicos de ?short selling? das ações de empresas que foram mais afetadas pelos atentados, principalmente do setor de seguros e companhias aéreas. Através do ?short selling?, o investidor aposta que o valor de uma determinada empresa vai declinar.As investigações também se concentram sobre as ações de empresas de armamentos, que se beneficiaram com os ataques. "Eu acredito que há Estados e organizações terroristas especulando no mercado financeiro internacional", disse hoje o ministro da Defesa da Itália, Antonio Martino. Por enquanto, não há provas concretas de que isso tenha acontecido.A agência de supervisão do setor financeiro da Alemanha, BaWe, iniciou uma investigação sobre os negócios no mercado acionário antes de terça-feira passada. "Estamos realizando uma inspeção rotineira nos preços de vários estoques", disse um porta-voz da BaWe. "Ela vai envolver um exame de todos os tipos de ações." Mas, segundo a BBC, a agência alemã já informou as autoridades norte-americanas sobre as suas suspeitas.Um dos focos das investigações na Alemanha será a Munich Re, a maior empresa mundial de resseguros, cujas ações caíram 22% nos últimos dois meses - 13% apenas na semana que antecedeu os ataques. Esse movimento poderia ter sido gerado por pessoas que sabiam dos ataques. As empresas de resseguros Re, da Suíça, e Axa, da França, também sofreram fortes perdas nas vésperas dos atentados. Essas quedas nos estoques ocorreram num momento de perdas nos mercados acionários mundiais. Mas analistas observam que o setor de resseguros deveria manter o seu valor num mercado declinante, pois é considerado como um investimento defensivo.Acredita-se que Bin Laden já tenha se envolvido em especulação no passado para financiar suas atividades. Segundo o jornal italiano Corriere della Sera, ele utilizou uma corretora de Milão para investir nos mercados europeus. As autoridades européias estão também investigando possíveis conexões de Bin Laden em Luxemburgo, Suíça, Monte Carlo e Chipre. A agência de notícias japonesa Jiji Press informou que as autoridades do país também estão investigando um envolvimento de Bin Laden no mercado local, principalmente com contratos futuros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.