Grã-Bretanha é condenada por violação do direito à vida

O Reino Unido foideclarado hoje culpado por violação do "direito à vida"na Irlanda do Norte pelo Tribunal Europeu de Direitos Humanos,com sede na cidade francesa de Estrasburgo. A corte considerouque os britânicos adotaram uma política de "atirar para matar"que resultou na morte de 12 pessoas, 10 delas membros doproscrito Exército Republicano Irlandês (IRA). O governo de Londres deverá pagar agora uma indenização de10.000 libras esterlinas (cerca de US$ 16.000) a cada uma das 12famílias das vítimas. Julgando os incidentes separadamente,ocorridos entre 1982 e 1992, a corte européia decidiu que aGrã-Bretanha violou o Artigo 2 da Convenção sobre DireitosHumanos, que garante o direito à vida. As famílias decidiram levar os casos à corte européia emabril passado, argumentando que lhes teria sido negado o direitode "uma investigação efetiva" sobre as mortes naGrã-Bretanha. Oito das 12 pessoas mortas na Irlanda do Norte formavam partedo comando do IRA que tinha programado um ataque contra a basepolicial britânica em Loughagall, em maio de 1987. As forçasbritânicas foram acusada naquela oportunidade pelos familiaresdas vítimas de "disparar para matar". Depois do anúncio doveredito, os parentes das vítimas exigiram que a polícia e ossoldados envolvidos nos tiroteios sejam acusados de homicídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.