Leon Neal/AFP
Leon Neal/AFP

Grã-Bretanha entra em clima de celebração pelo jubileu da rainha

Os 60 anos do reinado de Elizabeth 2ª serão comemorados em festas que se estenderão por quatro dias, incluindo um passeio de barco pelo rio Tâmisa

BBC Brasil, BBC

01 de junho de 2012 | 16h09

LONDRES - A Grã-Bretanha organiza os últimos preparativos para um feriado prolongado de quatro dias de comemorações do jubileu de diamante da rainha Elizabeth 2ª, que completa 60 anos de reinado.

As comemorações incluem uma passeio de barcos pelo rio Tâmisa, festas de rua e um show que será transmitido do Palácio de Buckingham na segunda-feira, com a presença de cantores como Shirley Bassey, Elton John e Jessie J.

Nesta sexta, 1º, a guarda da realeza ensaiava um passeio de carruagens que ocorrerá na região central de Londres. Uma frota de mil de barcos recebeu instruções para participar de um passeio real pelo Tâmisa neste domingo.

O passeio, que vem sendo planejado há dois anos e deve custar o equivalente a R$ 32 milhões, partirá às 11h30 locais (7h30 em Brasília) da ponte de Hammersmith, no oeste, e seguirá até Tower Bridge, no leste de Londres. Será acompanhado de 5,5 mil policiais, para garantir a segurança da rainha e dos demais participantes.

Na terça-feira, uma carruagem de 1902 buscará Elizabeth 2ª e seu marido, o duque de Edimburgo, em uma missa de ação de graças na Catedral de São Paulo.

Os ensaios desta sexta-feira foram uma amostra da pompa que cercará os quatro dias de cerimônia do jubileu. O centro de Londres está todo decorado com bandeiras britânicas e lojas estão repletas de produtos associados à realeza. Algumas pesquisas de opinião indicam um aumento na aprovação popular da monarquia britânica por conta das comemorações.

Ao mesmo tempo, grupos republicanos vêm criticando os gastos do jubileu.

Marca histórica

Elizabeth 2ª é rainha desde 1952, após a morte de seu pai, o rei George 6º. A marca de 60 anos de reinado é histórica e, até então, só havia sido completada pela rainha Victoria, que reinou de 1837 até sua morte, em 1901.

Elizabeth 2ª é chefe de Estado do Reino Unido e dos países da Commonwealth (entre eles, Austrália, Canadá, Jamaica e Nova Zelândia).

Como chefe de Estado, ela não tem poderes executivos ou legislativos, mas cabe a ela declarar de maneira protocolar quando o país está em estado de guerra ou paz, liderar as Forças Armadas, proclamar a dissolução do Parlamento e ratificar tratados internacionais, entre outras atribuições, como receber convidados estrangeiros e representar o país no exterior.

Mas sua importância é apontada também pelo fato de ser "um símbolo de unidade e orgulho nacional".

Até agora, em seu reinado, Elizabeth viajou a 116 países, em 261 visitas oficiais. Seus 60 anos no trono foram marcados por diversos acontecimentos históricos, como a Guerra Fria e a queda do Muro de Berlim e do bloco comunista europeu; seu país esteve envolvido nas guerras das Malvinas (1982), do Iraque e do Afeganistão e foi alvo de atentados do IRA (Exército Republicano Irlandês) e de extremistas islâmicos, que detonaram bombas no sistema de transporte londrino em 2005.

Em 1997, a monarquia foi profundamente afetada pela morte da princesa Diana, mas viu sua popularidade crescer no ano passado, com o casamento do príncipe William e Kate Middleton.

No campo cultural, o reinado foi marcado pela explosão de movimentos musicais como a "beatlemania" e o movimento punk, que mudaram para sempre os rumos da música. No futebol, a Inglaterra conquistou sua única Copa do Mundo, em 1966.

Feriado

Uma associação de operadoras de trens calcula que esse meio de transporte levará a Londres 500 mil visitantes para os quatro dias de comemorações do jubileu.

Ao mesmo tempo, o feriado prolongado estimulou muitos a deixarem a capital britânica - cerca de 4 milhões de britânicos devem viajar pelo país, e outros 2 milhões para o exterior.

Só no final de semana, o aeroporto de Heathrow deve receber 410 mil passageiros - num dia normal, são 95 mil.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.