(AP Photo/Hassan Ammar, File)
(AP Photo/Hassan Ammar, File)

Grã-Bretanha fará operação para retirar 20 mil turistas do Egito

Autoridades britânicas enviaram especialistas em segurança aérea para a cidade do Mar Vermelho para supervisionar os voos dos turistas, suspensos na quarta-feira à noite; operação de retirada pode começar na sexta-feira

O Estado de S. Paulo

05 de novembro de 2015 | 14h45

LONDRES - O governo britânico vai retirar quase 20 mil turistas de Sharm el-Sheikh, no Egito, cada vez mais convencido de que o avião russo que caiu pouco depois da decolagem daquela localidade no sábado sofreu um atentado.

O primeiro-ministro britânico David Cameron informou que pretende ligar para o presidente russo, Vladimir Putin para informar sobre suas suspeitas. "Não sabemos com certeza se foi uma bomba terrorista", disse Cameron, mais cedo, em entrevista a um canal de TV, antes de completar que "é mais provável que sim, do que não". 

Cameron também falou sobre a situação no aeroporto da localidade turística. "Temos de ver melhoras na segurança do aeroporto de Sharm el-Sheikh".

As autoridades britânicas enviaram especialistas em segurança aérea para a cidade do Mar Vermelho para supervisionar os voos dos turistas, suspensos na quarta-feira à noite. A operação de retirada pode começar na sexta-feira.

Outros países europeus também começaram a suspender voos, mas o número de turistas britânicos em Sharm el-Sheikh supera com folga o de qualquer outro país.

A Rússia afirmou que as medidas eram precipitadas ao chamar de "especulações" todas as hipóteses sobre o que aconteceu com o avião comercial, em uma tragédia que matou as 224 pessoas a bordo no sábado passado.

"Estamos trabalhando agora com as companhias aéreas e as autoridades egípcias para aplicar medidas de emergência a curto prazo que permitirão retirar de forma segura os turistas britânicos que estão em Sharm", disse o ministro das Relações Exteriores, Philip Hammond, ao canal Sky News

"Esperamos que as medidas de emergência sejam aplicadas a partir de amanhã (sexta-feira) para que as pessoas com voos previstos para ontem e hoje comecem a viajar", completou Hammond.

"As medidas serão aplicadas enquanto transportamos os turistas britânicos que estão atualmente em Sharm el-Sheikh na próxima semana ou dez dias".

SegurançaQuase 900 mil turistas britânicos visitam o Egito a cada ano e Sharm el-Sheikh é um dos destinos favoritos. A decisão de Londres de assumir e determinar o retorno de seus turistas pode prejudicar as relações com o Cairo.

O ministro egípcio das Relações Exteriores, Sameh Shukry, que está em Londres, disse ao canal CNN que é "prematuro fazer observações" sobre o que aconteceu e pediu que não sejam adotadas medidas com "implicações que afetem um grande número de egípcios que dependem muito da indústria turística".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.