Grã-Bretanha investiga exploração de trabalho escravo no interior do país

Polícia desarmou esquema em Bedfordshire; trabalhadores eram recrutados em albergues.

BBC Brasil, BBC

12 Setembro 2011 | 14h57

Um dia após libertar 24 trabalhadores mantidos sob regime considerado de escravidão, a polícia do Reino Unido informou nesta segunda-feira que 15 das pessoas libertadas continuam sob tratamento médico já que estavam seriamente desnutridas. O esquema foi descoberto na cidade de Bedfordshire, no centro do país.

As vítimas estavam em um acampamento para viajantes na localidade de Leighton Buzzard. Alguns dos 24 trabalhadores estavam, segundo a polícia, tão desnutridos que uma refeição completa lhes poderia ser fatal. Outros estavam cobertos com excrementos.

Quatro pessoas foram presas na operação suspeitas de explorar o trabalho escravo. Entre elas estava uma mulher grávida, que conseguiu liberdade provisória. Ela irá depor assim que o filho nascer.

Segundo a polícia, os trabalhadores eram forçados a serviços manuais (sem especificar qual atividade) sem pagamento. Além dos 15 trabalhadores internados, outros nove (sete britânicos e dois romenos) se negaram a cooperar com a polícia e foram liberados.

"No momento, 15 pessoas continuam a receber cuidados médicos e o depoimento aos investigadores começará hoje. Vai levar alguns dias para se saber exatamente o que aconteceu com eles durante o tempo de estadia no local", disse o porta-voz da polícia.

Entre as vítimas internadas estão oito cidadãos britânicos, três poloneses, um lituano e um letão, além de duas pessoas com nacionalidade não confirmada. Todos têm entre 30 e 57 anos.

O trabalhador mais jovem era um britânico de 17 anos.

Negócio familiar

Cerca de 200 policiais participaram da operação chamada Netwing, que desbancou o esquema ao invadir o albergue por volta das 5h30 de domingo. As vítimas vivam no local em condições precárias.

A ação decorreu de uma investigação da polícia de Bedfordshire, que apontou que os homens eram mantidos contra a vontade no local, onde trabalhavam e viviam em condições inapropriadas.

A polícia disse acreditar que alguns são explorados há cerca de 15 anos.

No domingo, o investigador Sean O'Neil disse que a investigação aponta para "um negócio familiar e uma quadrilha".

Os trabalhadores eram aparentemente "recrutados" em albergues que oferecem alimentação a sem-tetos. Muitos têm problema com alcoolismo.

Segundo o investigador, eles vão trabalhar com a promessa de pagamento.

"Mas quando eles chegam, o cabelo é raspado, eles são mantidos em estábulos, canis de cachorro, recebem pouco dinheiro e pouca alimentação", diz.

O investigador ressalta que os trabalhadores recebem ameaças de que serão atacados caso tentem fugir.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
reino unidogrã-bretanhaescravo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.