Grã-Bretanha pedirá ampliação do Conselho de Segurança

A Grã-Bretanha pedirá a expansão do número de membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, além da criação de uma nova organização dentro das Nações Unidas para combater a proliferação e a venda de armas no mundo, e desta forma restaurar a credibilidade "danificada e desacreditada" da ONU após a guerra no Iraque, informou um porta-voz do governo britânico. A medida tentará demonstrar que o país não considera a ONU como uma organização "que falhou". "A determinação do governo britânico por lutar para conseguir reformas na ONU mostra a necessidade de restaurar a credibilidade e centralização deste organismo internacional em uma nova ordem mundial", disse Bill Rammell, Ministro para a Chancelaria em Londres. Rammell disse que o governo britânico pedirá que a Alemanha, a Índia e o Japão sejam novos membros permanentes do Conselho de Segurança. Segundo os planos, a América Latina e a África poderão nomear um membro permanente para o Conselho de Segurança da ONU, como parte de uma medida que pretende a expansão de países membros de 15 para 24. "Um grande número de membros permanentes na ONU promoverá mais continuidade e experiência", declarou Rammell. Além do mais, enfatizou que após a guerra no Iraque, a ONU ficou "muito desprestigiada e deve recuperar sua autoridade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.