Grã-Bretanha recua em escândalo de espionagem na ONU

A promotoria britânica retirou o processo contra uma tradutora que possibilitou o vazamento de um memorando confidencial dos serviços de espionagem americanos, pedindo a seus colegas britânicos que ?grampeassem? membros do Conselho de Segurança da ONU, antes da invasão do Iraque. A acusação contra Katharine Gun, de 29 anos, foi retirada depois de a promotoria ter informado que não apresentaria provas. O juiz Michael Hyam ordenou que um veredicto de inocência fosse registrado.Gun era tradutora de mandarim do Centro de Comunicações do Governo da Grã-Bretanha. Quando foi acusada, ela admitiu ter vazado o documento com o objetivo de expor a conduta irregular do governo dos Estados Unidos e tentar evitar a guerra. Hoje, ao deixar o tribunal, Gun disse estar extasiada com a conclusão do caso e declarou: "Não lamento o que aconteceu e faria tudo de novo."Gun entregou o memorando da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos ao jornal britânico The Observer. O governo americano queria ajuda britânica para grampear os telefones residenciais e profissionais dos delegados estrangeiros, assim como para vigiar suas correspondências eletrônicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.