Grã-Bretanha rejeita pôster 'equivocado' do governo de Israel

Mapa ilustrativo em anúncio trazia Faixa de Gaza e Cisjordânia como parte do território israelense.

BBC Brasil, BBC

14 de julho de 2009 | 23h57

O órgão regulador da propaganda na Grã-Bretanha rejeitou um anúncio de turismo do governo de Israel que mostrava um mapa do país no qual a Faixa de Gaza e a Cisjordânia apareciam como parte do território israelense.

Os pôsteres com o anúncio do departamento de Turismo de Israel foram colocados em diversas estações de metrô de Londres e causaram diversas reclamações de grupos de defesa dos palestinos e cerca de 400 denúncias do público em geral.

A Advertising Standards Authority (ASA) disse que o mapa ilustrativo sugeria que os territórios ocupados seriam partes de Israel e que os anúncios não serão mais aceitos na Grã-Bretanha.

O ministério do Turismo israelense afirmou que o anúncio não tinha intenção de trazer nenhuma mensagem política.

Segundo representantes do ministério, o objetivo seria oferecer aos turistas uma idéia do território israelense e seus arredores.

A ASA, no entanto, afirmou que as fronteiras entre Israel e a Faixa de Gaza e a Cisjordânia eram ilustradas de maneira fraca e de difícil visualização.

O órgão também ressaltou que o mapa estava colocado abaixo do slogan: "Poucos países trazem tanta variedade num espaço tão pequeno como Israel".

"Nós entendemos que as fronteiras e o status dos territórios ocupados da Cisjordânia, da Faixa de Gaza e das Colinas de Golan são temas de grande disputa internacional e porque consideramos que estes territórios aparecem como parte de Israel, concluímos que o anúncio é equivocado", afirmou a ASA.

A agência afirmou ainda que não aceitará mais anúncios que tragam esse mapa ilustrativo.

Em maio, o ministério afirmou que houve um "erro professional" nos anúncios e que não usará mais mapas nos anúncios de turismo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.