Grã-Bretanha retira espiões de países hostis

Medida foi tomada após Rússia e China decifrarem documentos divulgados por Snowden, diz jornal britânico

LONDRES, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2015 | 02h07

A Grã-Bretanha retirou agentes de operações em andamento em "países hostis" após China e Rússia decifraram informações ultrassecretas contidas em arquivos divulgados pelo ex-prestador de serviços da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) Edward Snowden, informou o jornal Sunday Times. O serviço de inteligência britânico MI6, que opera internacionalmente, retirou agentes de determinados países, afirmou o diário, citando autoridades do escritório do primeiro-ministro britânico, David Cameron, que não quiseram se identificar, o Ministério do Interior e serviços de segurança.

Em 2013, Snowden fez o download de mais de 1,7 milhão de documentos secretos de agências de segurança dos EUA e da Grã-Bretanha e revelou detalhes de programas de vigilância em massa de telefonemas e comunicações pela internet. O governo americano quer que Snowden enfrente um julgamento pelo vazamento dos documentos. Mas Snowden está refugiado na Rússia, onde chegou depois de passar por Hong Kong.

Embora o ex-colaborador da NSA tenha afirmado ainda em 2013 que os documentos criptografados estariam seguros, Londres acredita que China e Rússia decifraram arquivos com detalhes que permitem a identificação de espiões americanos e britânicos, explicou o Sunday Times.

O ministro de Relações Exteriores britânico, Philip Hammond, disse à Sky News que Snowden causou grandes danos para a capacidade do Ocidente de proteger seus cidadãos. "Sobre as alegações feitas nesta manhã, nós nunca comentamos operações de inteligência, então não vou comentar o que temos e o que não temos feito para reduzir o efeito das revelações de Snowden, mas ninguém deve duvidar que ele causou grandes danos." Uma autoridade do gabinete de Cameron afirmou, no entanto, que não havia evidências de que "alguém seria prejudicado".

Uma fonte do Ministério do Interior britânico comentou ao Sunday Times que o presidente russo, Vladimir Putin, não daria asilo a Snowden sem receber algo em troca. "Os documentos dele estavam criptografados, mas não eram completamente seguros e agora temos visto nossos agentes em serviço como alvos."

Para outra fonte consultada, da inteligência britânica, Snowden causou "danos incalculáveis". "Em alguns casos, as agências foram obrigadas a intervir e retirar seus agentes das operações para impedir que eles fossem identificados e mortos", afirmou. As agências de segurança britânicas rejeitaram comentar o caso. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.