Grafólogas descrevem autor de cartas contaminadas

Duas grafólogas que estudaram a grafia das cartas enviadas à NBC e ao Senado americano com esporos de antraz concordaram na opinião de que o autor das cartas é "perigosamente audacioso e depressivo". A análise foi encomendada pelo jornal ultraconservador Washington Times, que entregou as cartas a duas especialistas em grafologia, uma americana e outra britânica, que realizaram a análise de forma independente. "A pessoa que enviou as cartas é muito obstinada e está no limite do esgotamento nervoso", disse Glenda Ross, grafóloga em Olympia, estado de Washington. Segundo Ross, o autor da correspondência é "um indivíduo violento e incapaz de escutar", mas também convencido de estar "fazendo a coisa certa". Por sua vez, a especialista britânica da revista Reading, Margaret Webb, coincidiu sobre os traços de "determinação" e "depressão" do indivíduo apontados por sua colega americana. Ambas também estão de acordo ao considerar que a pessoa que enviou as duas cartas é a mesma, provavelmente um homem, e que ele tentou dissimular os traços característicos de sua escrita. As características das cartas indicam que não se trata de alguém que vive no exterior e que "dá a impressão de ser uma pessoa que viveu muito tempo nos EUA. O número um, do código postal, tem um traço que um americano de nascimento não teria usado espontaneamente", disse Ross. Segundo as duas especialistas, a forma dos números é particularmente sugestiva: corresponde a modelos usados no exterior ou aos utilizados nos EUA antes da Segunda Guerra mundial. Leia o especial

Agencia Estado,

19 Outubro 2001 | 14h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.