Granada deixa 26 feridos na Caxemira

Homens não-identificados, supostamente militantes islâmicos, jogaram hoje uma granada contra soldados paramilitares. A explosão não atingiu os soldados, mas feriu pelo menos 26 pessoas na parte da Caxemira controlada pela Índia, informou a polícia. Mais cedo, as forças indianas anunciaram que haviam atirado em pelo menos três militantes, matando-os numa investida contra um esconderijo nas colinas de Gadol, no sudeste da Caxemira, hoje de manhã. Depois do ataque com granada, três pessoas em estado grave foram hospitalizadas em Pulwama, a cerca de 50 quilômetros ao sul de Srinagar, a capital de verão do Estado de Jammu-Caxemira, informou, sob condição de anonimato, um funcionário da polícia. A maioria dos feridos era composta de civis. Não havia maiores detalhes disponíveis. De acordo com a polícia, ninguém reivindicou o atentado. Cerca de 12 grupos islâmicos têm combatido as forças de segurança indianas na Caxemira desde 1989, lutando pela independência da região ou pela integração ao Paquistão, país de maioria muçulmana. O governo da Índia afirma que os grupos guerrilheiros são formados por terroristas baseados no vizinho Paquistão. Nova Delhi acusa o Paquistão de apoiar financeiramente os militantes muçulmanos na Caxemira, cuja área está dividida entre os dois países. O Paquistão nega as acusações. Os dois países já travaram três guerras desde o fim do domínio colonial britânico, em 1947 - duas delas, por causa da Caxemira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.