Granada em casamento mata cinco e fere 30 em Israel

Um palestino lançou três granadas num salão onde acontecia uma festa de casamento no norte de Israel nesta quinta-feira, matando cinco pessoas e ferindo pelo menos 30, informou um porta-voz da polícia. Um grupo palestino reivindicou a responsabilidade pelo ataque. A rádio do Exército afirmou que o homem tentou, na entrada do salão, detonar os explosivos que tinha colados ao corpo, mas foi dominado pelos seguranças. O atacante jogou então as granadas dentro do salão, informou a rádio. "Um terrorista entrou no salão onde acontecia a festa de casamento e jogou granadas", afirmou Haim Dominovsky, porta-voz da polícia. Dominovsky disse que o homem suicida foi morto. As Brigadas Al Aqsa, uma milícia ligada à Fatah, de Yasser Arafat, reivindicou a responsabilidade pelo ataque. O grupo declarou que Abed Hassouna, oriundo de um vilarejo perto da cidade palestina de Nablus, lançou o ataque para vingar a morte de Raed Karmi, o líder da milícia na cidade de Tulkarem. Karmi foi morto na explosão de uma bomba no início desta semana. Acredita-se que a explosão tenha sido planejada por Israel. O grupo prometeu vingar a morte do líder. O ataque de hoje aconteceu na cidade de Hadera, no norte de Israel. A cidade, que fica na linha que separa Israel da Cisjordânia, tem sido cenário de vários atentados a bomba palestinos nos últimos meses.

Agencia Estado,

17 Janeiro 2002 | 20h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.