Granadas matam cinco nas Filipinas

Duas explosões de granada em locais públicos mataram pelo menos cinco pessoas e feriram dezenas de outras no sul das Filipinas neste sábado, conforme tropas americanas chegaram ao país para exercícios militares. Um adolescente de 14 anos morreu em uma das explosões. Uma granada explodiu ao amanhecer perto de um mercado na cidade de Jolo, matando cinco e deixando pelo menos 40 feridos. Horas depois, uma explosão dentro de um cinema em Zamboanga, a maior cidade do sul das Filipinas, feriu cinco espectadores do filme O Senhor dos Anéis. O cinema atingido fica dentro de um shopping, no centro da cidade. O shopping é próximo a um local de vários restaurantes onde uma explosão matou seis pessoas e feriu 56 em outubro do ano passado. A polícia responsabilizou o grupo extremista islâmico Abu Sayyaf pelo atentado. A explosão em Jolo aconteceu dias depois que militares Filipinos lançaram ataques por terra e ar contra o Abu Sayyaf, matando pelo menos 10 guerrilheiros. A operação foi uma resposta a rebeldes que mataram pelo menos 11 soldados filipinos em Jolo.O coronel filipino Romeo Tolentino culpou os guerrilheiros pelo ataque e informou que dias antes eles haviam enviado cartas a várias escolas da região ameaçando seqüestrar professores e estudantes se a operação militar não fosse abortada. O major Ernesto Maningo, porta-voz das forças armadas, disse que a granada é de um modelo que o Abu Sayyaf costuma usar. O grupo extremista mantém um casal de missionários americanos e uma enfermeira filipina reféns ao norte de Jolo. Filipinas e Estados Unidos iniciaram uma ação militar conjunta para eliminar o grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.