AFP
AFP

Grande explosão na China deixa ao menos 17 mortos; veja vídeo

Emissora CCTV afirma que incidente ocorreu em um armazém com explosivos no Porto de Tianjin; outras 248 pessoas ficaram feridas

O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 15h36

PEQUIM - (Atualizada às 19h50) Uma enorme explosão atingiu uma área industrial na cidade portuária de Tianjin, nordeste da China, na noite desta quarta-feira, 12 (hora local), deixando ao menos 17 mortos. Segundo jornal China’s People’s Daily, 248 pessoas foram internadas com ferimentos – 11 em estado grave. A explosão causou uma onda de choque sentida a vários quilômetros, informou a mídia. 

A emissora estatal China Central Television (CCTV) afirmou que a explosão ocorreu em um carregamento de explosivos por volta das 23h30 (horário local) e o número de feridos poderia aumentar, segundo o South China Morning Post.

Vídeos da explosão mostraram chamas iluminando o céu e a agência de notícias estatal Xinhua citou moradores em distritos vizinhos dizendo que a explosão estilhaçou janelas. 

Em Tianjin, vários moradores deixaram suas casas, muitos dormiram nas calçadas, e diversos edifícios próximos ficaram sem eletricidade.

Segundo a CCTV, a explosão ocorreu em um armazém com produtos inflamáveis e explosivos armazenados em um contêiner em um porto. Tianjin tem 7,5 milhões de habitantes e é a maior cidade industrial ao sudeste de Pequim, localizada a 150 quilômetros. 

O Serviço Sismológico Nacional registrou duas grandes explosões. A intensidade da primeira, afirmou, foi equivalente a 3 toneladas de TNT e a segunda, a 21 toneladas. 

As fotografias tiradas por pessoas que estavam perto da cena e circularam em sites e Twitter mostravam uma enorme bola de fogo e uma grande nuvem em forma de cogumelo. 

Pelo menos seis batalhões do corpo de bombeiros – em cem caminhões – tentavam controlar o fogo. As equipes de resgate, segundo a CCTV, continuavam procurando por feridos. 

O corpo de bombeiros explicou que primeiro houve um incêndio. Em seguida, ocorreram as duas explosões com intervalo de 30 segundos entre elas. 

A professora canadense Monica Andrews contou à rede britânica BBC ter acordado em pânico. “Olhei pela janela e vi o céu vermelho. Quando percebi, assisti à segunda explosão ocorrer e foi o puro caos, todo mundo deixando seus apartamentos pensando que era um terremoto. Carros tentavam sair do complexo e foi tudo muito louco com uma quantidade imensa de luz que as explosões e incêndio provocaram”, relatou. / REUTERS, AP e EFE 

  

Veja o vídeo da explosão:

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTianjin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.