Grande manifestação pede renúncia de premier húngaro

A praça em frente ao parlamento foi tomada pela multidão neste sábado, em manifestação pedindo a renúncia do premier, no maior protesto desde que o vazamento da gravação na qual ele afirma ter mentido ao povo húngaro.Multidões anteriores já haviam somado mais de 10 mil, mas neste sábado, aproximadamente 20 mil pessoas se reuniram na praça Kossuth. A multidão reunida mostra a manutenção da opinião de que o premier deve renunciar por afirmar que o governo mentiu sobre o péssimo estado da economia do país. "Quem é realmente criminoso? Ele, que coloca fogo em um carro, ou ele, que destrói toda uma nação?", perguntava o bispo protestante Laszlo Toekes, um dos principais incitadores da revolução anticomunista de 1989. Os manifestantes pretendem protestar mesmo depois das eleições municipais de primeiro de outubro. "Nosso protesto não acabará enquanto o gabinete não renunciar", disse Tamas Molnar, um dos organizadores. Molnar disse também estarem planejando uma resistência civil "pacífica, amigável e criativa" no domingo, sem dar mais detalhes. Pal Matos, de 62 anos, e sua mulher estavam na praça, pois "estamos amargurados com o fato de tal homem estar governando o país. Faremos o que pudermos para ele renunciar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.