REUTERS/Youssef Boudlal
REUTERS/Youssef Boudlal

Grande Mesquita de Paris pede que muçulmanos votem em Macron

Em um comunicado, a instituição religiosa considerou que o ex-ministro da Economia da França 'encarna a via da esperança e da confiança nas forças espirituais e cidadãs da nação'

O Estado de S. Paulo

24 Abril 2017 | 16h43

PARIS - A Grande Mesquita de Paris pediu nesta segunda-feira, 24, aos muçulmanos da França que votem no candidato social-liberal Emmanuel Macron, que disputará o segundo turno das eleições presidenciais francesas, no próximo dia 7 de maio, com a ultradireitista Marine Le Pen.

Em um comunicado, a instituição religiosa considerou que o ex-ministro da Economia da França "encarna a via da esperança e da confiança nas forças espirituais e cidadãs da nação, dentro do respeito aos valores republicanos e da aplicação estrita dos princípios do laicismo".

Com 97% dos votos apurados, Macron tinha 23,86% dos votos, frente aos 21,43% de Marine.

O reitor da Grande Mesquita, Dalil Boubakeur, apontou na nota que o segundo turno é "decisivo para o destino da França e suas minorias religiosas".

Essa é a razão, a seu julgamento, pela qual "todos os franceses devem se manter unidos imperativamente frente à realidade da ameaça encarnada por ideias xenófobas perigosas para nossa coesão nacional".

"Perante a ameaça de divisão e de fragmentação da sociedade francesa, (...) a Grande Mesquita lembra aos muçulmanos da França seu dever de votar, um dever enquanto muçulmanos e cidadãos", concluiu.

Macron também recebeu o apoio do Partido Socialista e do candidato conservador François Fillon, que ontem terminou em terceiro, enquanto o representante da esquerda radical Jean-Luc Mélenchon, quarto no pleito, não indicou em quem votará no segundo turno. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.