Grande Rabino pede ao papa que condene parada gay em Jerusalém

O Grande Rabino de Israel, Shlomo Amar, enviou uma carta ao Papa Bento XVI pedindo a ele que condene a Parada Internacional do Orgulho Gay, programada para 10 de agosto, em Jerusalém. Segundo fontes do Rabinato Central em Jerusalém, Amar pede aoPapa que "condene de forma inequívoca e enérgica este terrível fenômeno, com a esperança de despertar um protesto geral por parte de diferentes dignatários religiosos". Legisladores do setor ortodoxo das comunidades judaica e muçulmana de Israel, além de representantes de diferentes denominações da Igreja Cristã do Oriente e Ocidente na Terra Santa, com sede em Jerusalém, manifestaram sua oposição à parada. Eles exigiram que o Parlamento (Knesset) proíba a realização do desfile. Organizado pela Associação de Homossexuais, Lésbicas e Transexuais de Israel, será o segundo desfile internacional do movimento. O primeiro foi realizado há alguns anos, em Roma, sob protestos do Vaticano. O deputado Nissim Zeev, do Partido ultra-ortodoxo Shas, chamou o desfile de homossexuais em Jerusalém de "imundície". "Não existe este problema na sociedade árabe", disse o deputado Ibrahim Tzartzur, durante debate na Comissão Parlamentar para Assuntos do Interior. Ele se aliou ao rabino ultranacionalista IsaacLevy, representante da frente direitista da União Nacional, na oposição ao desfile. Durante uma parada de homossexuais israelenses em Jerusalém, há dois anos, um ortodoxo feriu três participantes com uma arma branca. Tzartzur e Levy, levando em conta o precedente, alegaram que a parada internacional representa um risco àsegurança. "Cidade aberta"A deputada Zehava Galon, da frente pacifista Meretz, e seu representante no Conselho Municipal, Avshalom Vilan, acusaram os críticos de "incitar à violência" com essas afirmações. Há três anos, a organização internacional de homossexuais escolheuJerusalém, chamada de "cidade aberta à tolerância", mas o desfile foi adiado durante este tempo. A Prefeitura de Jerusalém também é contra a manifestação. No ano passado, o prefeito Uri Lupoliansky foi condenado a pagar do próprio bolso uma indenização à Associação de Homossexuais deIsrael, depois de perder um processo na Corte Suprema de Justiça. Os magistrados também mandaram a prefeitura transferir à entidade o orçamento previsto na lei, como acontece com outras organizações. Os homossexuais afirmam que têm o direito de realizar o desfile e que sua proibição seria antidemocrática. O veto, alegam, não combinaria com o discurso oficial de que Jerusalém é "uma cidade aberta a todos os cultos e pluralista". A Igreja Evangélica, associada a rabinos americanos e israelenses, lançou no ano passado uma campanha para reunir 1 milhão de assinaturas contra o desfile. Na ocasião, ele foi canceladoporque o a maior parte das forças policiais estava concentrado na operação militar de retirada do território palestino de Gaza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.