Grandes grupos dão dinheiro para Obama

Não é apenas de pequenas doações que vive a campanha do democrata

Michael Luo e Christopher Drew, The New York Times, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2008 | 00h00

Para mostrar que é independente da influência de grandes empresários, o senador Barack Obama, candidato democrata à Casa Branca, gosta de destacar as contribuições de até US$ 200, que representam mais da metade dos US$ 340 milhões que ele conseguiu arrecadar até agora. Os números, porém, mostram que um terço do que ele obteve veio de doações superiores a US$ 1 mil.Por trás das doações estão mais de 500 arrecadadores que coletaram contribuições superiores a US$ 50 mil. Muitos deles têm ligações com grupos de interesses de Washington. Quase 30 desses arrecadadores levantaram mais de US$ 500 mil cada e seis ultrapassaram a marca de US$ 1 milhão.Ainda que sua campanha cite as pequenas doações como motivo de sua decisão de abandonar o financiamento público de campanha, Obama trabalhou para criar uma rede de doadores endinheirados desde que concorreu ao Senado dos EUA, em 2004.FINANCIAMENTOObama envolveu todos com a sabedoria de um político veterano, com ligações, jantares e encontros. Escreveu cartões de agradecimento, lembrou-se do aniversário de cada um e enviou cópias autografadas de seu livro.Com sua decisão de não aceitar o financiamento pública, Obama precisou da ajuda desses arrecadadores para conseguir os mais de US$ 300 milhões para sua campanha e outros US$ 180 milhões para o Comitê Nacional Democrata.O maior grupo de arrecadadores é composto por advogados - cerca de 130. Muitos trabalham para empresas que representam grupos de interesse, como a indústria de armas. Pelo menos 100 dos arrecadadores de Obama são executivos ou corretores de investimentos. Aproximadamente 20 trabalham para gigantes financeiros, como a Goldman Sachs ou o Citigroup.Obama prometeu não aceitar doações de lobistas ou comitês de ação política, mas alguns de seus doadores também representam interesses importantes. "Está muito claro que esse fenômeno de arrecadação é extraordinário e que a internet é uma ferramenta poderosa", disse Michael Malbin, diretor executivo do Instituto de Finanças de Campanha, da Universidade George Washington. "Mas também está bem claro que os velhos doadores continuam presentes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.