Gravações revelam momentos finais do Columbia

A agência espacial norte-americana (Nasa por suas iniciais em inglês) liberou as transcrições de algumas das últimas comunicações de rádio entre o ônibus espacial Columbia e o Controle de Missão, pouco antes de a nave perder contato e se desintegrar, causando a morte dos sete astronautas a bordo.Durante a conversas, o Controle de Missão reporta uma série de problemas que parece piorar com o passar dos minutos.O primeiro indício partiu de Jeff Kling, funcionário de manutenção e mecânica do Controle de Missão que monitorava a descida do ônibus espacial Columbia. "FYI (´para sua informação´, na abreviação em inglês), acabo de perder quatro transdutores de temperatura no lado esquerdo do veículo, temperaturas de retorno hidráulico", informou ele, calmamente.O diretor do vôo, Leroy Cain, pareceu surpreso, mas não alarmado. "Há algo em comum entre eles?", perguntou. "Quero dizer, você está me dizendo que os perdeu exatamente ao mesmo tempo." "Não, não exatamente", respondeu Kling. "Provavelmente quatro ou cinco segundos separavam uns dos outros."Oito minutos antes da perda de comunicação, Kling notou a perda de dados de medidores de temperatura na asa esquerda da nave, quando monitorava sua entrada na atmosfera.Pouco depois, Cain informou sobre a resistência encontrada pela Columbia, mas os controladores não monstraram alarme quanto ao manejo do veículo."O controle ficou estável nos giros que realizamos até agora no vôo", disse o funcionário de navegação, Mike Sarafin, quando a nave se aproximava da fronteira entre os Estados do Arizona e Novo México."Nossa situação é boa. Não vejo nada fora do normal." Apesar dos problemas que se acumulavam, não parecia que ninguém, no Columbia ou em terra, estivesse ciente da catástrofe iminente. Alguns minutos antes do pouso antecipado na Flórida, houve discussão sobre mais falhas de sensores e a procura de uma ligação entre elas.O Controle de Missão então informou à tripulação da nave que a pressão do pneu esquerdo despencara na escala do leitor. O comandante do Columbia, o coronel da Força Aérea Rick D. Husband respondeu pelo rádio: "Roger, uh..." Então, nada mais se ouviu além de estática.VEJA O ESPECIAL

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.