Yorgos Karahalis/Reuters
Yorgos Karahalis/Reuters

Grécia: dois principais partidos têm de 31% a 37% dos votos

Pesquisas de boca de urna geram dúvidas sobre formação de maioria no Parlamento

SERGIO CALDAS, Agência Estado

06 Maio 2012 | 15h29

ATENAS - Os dois principais partidos da Grécia, o socialista Pasok e o conservador Nova Democracia, foram punidos nas urnas nas eleições nacionais deste domingo, segundo pesquisas de boca de urna. As primeiras estimativas de pesquisas divulgadas pela TV estatal grega mostram que as duas agremiações conquistaram entre 31% e 37% dos votos, gerando dúvidas se conseguirão apoio suficiente para formar maioria no Parlamento de 300 cadeiras, mesmo considerando as 50 vagas extras às quais o partido mais votado tem direito.

Após o fechamento das urnas, os números preliminares indicavam que o Nova Democracia liderava com 17% a 20% dos votos. Num resultado surpreendente, a Coalizão da Esquerda Radical, que se opõe ao programa de austeridade do governo grego, viu seu apoio mais do que triplicar, para de 15,5% a 18,5% dos votos, tornando-se o segundo maior partido do Parlamento.

O Pasok, por sua vez, caiu para o terceiro lugar, com 14% a 17% dos votos, de acordo com as mesmas pesquisas. O partido neonazista Amanhecer Dourado teria ficado com 6% a 8% dos votos, garantindo pela primeira vez acesso ao Parlamento. As pesquisas mostraram ainda que pelo menos sete partidos atraíram votos suficientes para obter assentos.

A eleição de hoje é a primeira desde o início da crise econômica da Grécia, no fim de 2009, e após o país receber dois pacotes de ajuda de seus parceiros europeus e do Fundo Monetário Internacional (FMI) para evitar uma saída grega desordenada da zona do euro.

Diante do avanço da oposição, é incerto determinar se o Nova Democracia e o Pasok terão musculatura política suficiente para implementar o programa de reformas que apoiaram como parte do governo de coalizão. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Grécia eleição partidos crise Parlamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.