Grécia: polícia e manifestantes entram em choque

Confrontos entre a polícia e jovens irromperam na frente do Parlamento grego nesta quinta-feira, quando cerca de 10 mil manifestantes, segundo a polícia, tomaram as ruas do centro de Atenas em protesto contra novas medidas de austeridade. Os jovens jogaram bombas e pedras na polícia, que respondeu com o disparo de gás lacrimogêneo. Pelo menos duas pessoas foram detidas.

AE, Agência Estado

17 de novembro de 2011 | 15h07

As manifestações em Atenas se seguem a um impasse político que durou quase duas semanas e só acabou quando os dois maiores partidos, o socialista Pasok e a Nova Democracia, de centro-direita, concordaram em formar um governo de unidade, chefiado pelo premiê Lucas Papademos. Analistas políticos dizem que os protestos de hoje refletem o humor das ruas frente às novas medidas de austeridade, que a Grécia terá que adotar se quiser receber o segundo pacote de auxílio da União Europeia (UE), de ? 130 bilhões.

Um segundo protesto está previsto para mais tarde nesta quinta-feira em Atenas, liderado pelo sindicato Pame, ligado aos comunistas. O 17 de novembro marca na Grécia o aniversário de uma rebelião estudantil em 1973 que levou ao fim da ditadura militar alguns meses depois, em 1974. Normalmente, grupos estudantis e de sindicalistas marcham até a Embaixada dos Estados Unidos em Atenas, uma vez que os EUA são vistos como cúmplices porque apoiaram a junta militar.

Embora pesquisas de opinião mostrem que o governo recém-formado por Papademos tem amplo apoio popular, muitos gregos estão exaustos com as medidas de austeridade adotadas nos últimos dois anos.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.