REUTERS/Dylan Martinez
REUTERS/Dylan Martinez

Grécia quer Mármores do Parthenon de volta, diz Tsipras a May

Desde a independência em 1832, a Grécia tem repetidamente pedido o retorno dos mármores, sem sucesso

O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2018 | 21h03

ATENAS - A Grécia quer os Mármores do Parthenon de volta do Museu Britânico, disse o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, em Londres nesta terça-feira, 26, tentando ressucitar uma longa campanha pelos tesouros de 2,5 mil anos.

O diplomata britânico lorde Elgin removeu as esculturas da Acrópole de Atenas no começo do século 19, quando a Grécia estava sob o regime otomano. As esculturas representam quase metade do friso de 160 metros de comprimento que estava no templo do Parthenon.

Desde a independência em 1832, a Grécia tem repetidamente pedido o retorno dos mármores, sem sucesso.

Tsipras, que fez sua primeira viagem ofical a Londres desde que foi eleito em 2015, disse que a questão é de importância ética especial para os gregos e levantou o tema quando se encontrou com a premiê britânica, Theresa May.

“Os Mármores pertencem ao patrimônio cultural mundial, mas seu lugar natural é o Parthenon”, disse a repórteres.

O Reino Unido tem resistido às campanhas pelo retorno do que chama de Mármores de Elgin, junto a tesouros de outros países, incluindo Nigéria e Etiópia, frequentemente citando legislações que proíbem seus museus de se desfazerem permanentemente de suas coleções.

A Grécia tem intensificado sua campanha desde 2009, quando abriu um novo museu aos pés da Acrópole, dizendo que isso responde a quaisquer sugestões de que Atenas não possui um lugar adequado para preservar os mármores.

O museu guarda relíquias inestimáveis da Acrópole, incluindo as cariátides, colunas verticais em formas femininas. Há espaço para uma das seis figuras restantes, em exibição no Museu Britânico.

Em 2014, o governo grego anterior contratou uma equipe legal, que incluía a advogada de direitos humanos Amal Clooney, para aconselhá-lo em sua tentativa de garantir o retorno dos mármores.

“Nós conhecemos a posição britânica, mas o que possui um valor particular é que este esforço seja contínuo”, disse Tsipras. “No devido tempo, nós iremos encontrar cada vez mais apoiadores da posição justa da Grécia”. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.