Grécia/PM: primeiro acordo de resgate foi um erro

O primeiro-ministro da Grécia, Antonis Samaras, disse que o primeiro acordo de resgate assinado pelo governo anterior foi um erro e causou muitas injustiças, especialmente entre as classes média e baixa da população. "Eu estou dizendo e vocês sabem que é verdade. Os níveis eram inatingíveis", comentou o primeiro-ministro em um jantar na Câmara de Comércio Heleno-Germânica.

AE, Agência Estado

20 de janeiro de 2014 | 18h53

Samaras disse que seu governo conseguiu alcançar e ultrapassar as metas fiscais necessárias e agora estaria pronto para iniciar uma política social para corrigir as injustiças do primeiro acordo de resgate.

"De acordo com uma decisão do Eurogrupo de novembro de 2012, 70% do superávit primário pode ser usado para fins de políticas sociais", disse Samaras, reiterando que em abril a agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat, irá confirmar o superávit primário da Grécia, que poderá exceder 800 milhões de euros.

O primeiro-ministro grego está determinado a prosseguir com uma política social, apesar do fato de que a troica - formada pela Comissão Europeia e o Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional - insistir que tal medida é prematura.

As declarações do primeiro-ministro grego foram feitas poucos dias após a Market News International informar que a Grécia precisa reformular seu plano fiscal de 2014 e definir a exata medida do seu déficit fiscal em 2015 antes de buscar novas parcelas de empréstimo.

Na sexta-feira, um funcionário do Ministério das Finanças grego confirmou a informação. Segundo o funcionário, o governo enviou à troica informações adicionais e atualizou o plano fiscal, mas ainda assim, "diferenças e desacordos continuam". Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
GréciaSamaras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.