Greenpeace bloqueia 100 postos Esso na Grã-Bretanha

O grupo ambientalista Greenpeace bloqueou 100 postos de gasolina Esso na Grã-Bretanha, em protesto contra uma eventual guerra no Iraque. O grupo de ativistas impediu também que 1.000 trabalhadores da companhia petrolífera entrassem na sede central da Esso no país, no condado de Surrey. Mais de 300 manifestantes do Greenpeace continuavam, no início desta tarde, diante das instalações da Exxon Mobil Corporation, para protestar contra recentes declarações de funcionários da empresa, em apoio a uma guerra no Iraque."A iniciativa que tomamos é uma conseqüência da campanha da Esso em apoio à guerra no Iraque para ficar com o petróleo iraquiano. (Os funcionários da companhia) não somente estão de acordo com a campanha militar naquele país, como também provocam o aquecimento global com um conseqüente desastre para o meio ambiente", declarou um porta-voz do Greenpeace em Londres, e acrescentou que as manifestações estão sendo realizadas em 17 condados do Reino Unido, incluindo em Gales, East Anglia, Yorkshire e as Midlands inglesas. "Continuaremos protestando até que todos nós estejamos detidos pela polícia e consigamos fechar mais postos de serviço Esso", disse o porta-voz. O Greenpeace informou que cerca de 30 de seus ativistas foram detidos. Versões da imprensa disseram que os manifestantes, alguns vestidos como o tigre mascote da Esso, desligaram a energia que movimenta as bombas de gasolina dos postos e amarraram as mangueiras de abastecimento, para impedir que fossem usadas. Por sua vez, um porta-voz policial britânico informou nesta manhã que sete ativistas foram detidos pelos agentes de segurança e transferidos para diferentes dependências policiais. Em um comunicado oficial, a Esso afirmou que "as pessoas têm todo o direito de expressar suas idéias, mas é errado acreditar que a ExxonMobil está a favor de uma guerra no Iraque. O conflito iraquiano é um problema apenas dos governos, e não de companhias internacionais", diz o texto."A ExxonMobil não manteve nenhuma discussão com a administração dos EUA nem com qualquer outro governo do mundo, seja sobre temas militares ou de acesso ao petróleo iraquiano", concluiu. No domingo, cerca de 450 manifestantes empunhando faixas e gritando frases contra a guerra desfilaram pelas ruas da pequena cidade de Fairford, no sul do país, próxima a uma base dos EUA. A maioria deles permaneceu do lado de fora da base, mas alguns penetraram nas instalações militares pelo portão principal. Um porta-voz da polícia de Gloucestershire disse que 12 manifestantes foram detidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.