Greenpeace rejeita insinuações de pirataria

O Greenpeace rejeitou insinuações de uma agência russa de que seus ativistas teriam feito pirataria ao tentar subir numa plataforma de perfuração de propriedade da produtora de gás natural estatal Gazprom.

Agência Estado

21 Setembro 2013 | 14h00

Em comunicado divulgado neste sábado, o advogado-geral do Greenpeace, Jasper Teulings, disse que o anúncio de que o Comitê de Investigação da Rússia está considerando fazer acusações formais de pirataria contra o grupo não é válido e "cheira a desespero".

Desde que o navio do Greenpeace foi tomado pela Guarda Costeira russa em águas do Ártico, na quinta-feira, a organização não consegue entrar em contato com a embarcação. Os ativistas continuam a bordo do navio, que está sendo rebocado para o porto mais próximo, de Murmansk.

O Chefe da Casa Civil da Rússia, Sergei Ivanov, disse hoje a jornalistas em Estocolmo que o Greenpeace agiu de "forma muito radical" e comparou o protesto na plataforma à "pirataria de estilo somali". Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
RússiaGreenpeace

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.