Stephanie Lecocq/EFE/EPA
Stephanie Lecocq/EFE/EPA

Greta Thunberg se isola por suspeita de infecção por coronavírus

Ativista ambiental sueca voltou de viagem à Europa Central e começou a apresentar sintomas leves há cerca de dez dias; pai também pode ter contraído vírus

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2020 | 16h37
Atualizado 24 de março de 2020 | 17h19

ESTOCOLMO - A ativista ambiental sueca Greta Thunberg revelou nesta terça-feira, 24, que se isolou nas duas últimas semanas como medida de precaução devido a suspeitas de ter sido infectada pelo novo coronavírus.

"Quando voltei da minha viagem à Europa Central, me isolei em um apartamento emprestado, longe da minha irmã e da minha mãe, pois o número de casos da COVID-19 na Alemanha, por exemplo, era semelhante aos da Itália no começo", escreveu a jovem de 17 anos no Instagram.

Greta começou a apresentar sintomas leves há cerca de dez dias, assim como o pai, com quem viajou para Bruxelas. Os dois sentiram cansaço, calafrios e tosse, e Svante Thunberg ainda teve febre.

Na Suécia, apenas pessoas em estado grave são testadas para a Covid-19, mas as autoridades recomendam que as pessoas com sintomas sejam isoladas em suas casas.

"É por isso que não consegui fazer o teste, mas é muito provável que tenha tido o coronavírus, dada a combinação de sintomas e circunstâncias", detalhou.

Thunberg disse estar recuperada e considera que o último resfriado que teve foi bem pior. Na opinião da jovem, isso mostra que o vírus é muito perigoso. "Muitas pessoas, principalmente as mais jovens, podem não perceber que têm sintomas muito leves e assim infectar pessoas de grupos de risco", alertou.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

"Aqueles de nós que não estão em um desses grupos têm uma enorme responsabilidade, nossas ações podem ser a diferença entre a vida e a morte para muitos outros", completou.

A estudante começou uma greve escolar em frente ao Parlamento sueco em setembro de 2018, às sextas-feiras, para exigir ações sobre a crise climática. Sua atitude inspirou um movimento global, que a levou a ser recebida por líderes mundiais e a falar em eventos de alto nível. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Greta Thunberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.