Greve geral leva Guiné a escolher novo primeiro-ministro

Uma greve geral em Guiné deve terminar na terça-feira, com a decisão do presidente do país, Lansana Conte, de escolher um novo primeiro-ministro de uma lista proposta pela oposição, disseram líderes sindicais no domingo. "A greve será encerrada", disse o negociador sindical Ousmane Souare após o término do impasse ter sido anunciado. O país da África Ocidental é o maior exportador mundial de bauxita, um minério usado na fabricação do alumínio. Outro líder sindical, Ibrahima Bangoura, disse que trabalhadores deveriam voltar às atividades normais na terça-feira. O acordo foi alcançado após Conte, abrindo mão de suas negativas, ter concordado em escolher um novo premiê em uma lista de nomes traçada por líderes sindicais, partidos políticos e representantes da sociedade civil. A greve gerou violentos confrontos entre trabalhadores e forças de segurança em todo o país, resultando em 120 pessoas mortas desde o início da paralisação, em janeiro. O protesto foi suspenso inicialmente após Conte ter concordado com um nome aceito por ambos os lados, mas os sindicatos retomaram as paralisações dia 12 de janeiro, depois de o presidente ter rompido o acordo e nomeado um aliado próximo, Eugene Camara, para ser primeiro-ministro. Agora, Camara será substituído.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.