Greve geral tem grande adesão no Uruguai

Uma greve geral de 24 horas teve um significativo índice de adesão nesta quarta-feira no Uruguai, apesar de um racha no diretório da central única de trabalhadores (Pit-Cnt), que convocou o ato contra um ajuste fiscal adotado pelo governo. O sindicato dos bancários classificou a greve de "inoportuna" por considerá-la "um fator de desgaste que não contribui para a modificação da política econômica oficial", mas acatou a paralisação aprovada pela maioria dos sindicatos ligados à central.Milhares de trabalhadores participaram de atos em distintas zonas da capital e do interior do país. Porta-vozes da Pit-Cnt disseram que a greve afetou, além dos bancos, a indústria, os serviços de educação, saúde e transporte e empresas privadas. O comércio, no entanto, trabalhou normalmente.Durante a paralisação foram registrados incidentes isolados, principalmente ataques contra ônibus municipais que realizavam serviços de emergência. A greve, a primeira de 24 horas realizada neste ano e a quarta desde a instalação do governo do presidente Jorge Batlle, em março de 2000, foi convocada sob o lema "contra o plano fiscal e por trabalho e salários dignos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.