Mario Ruiz/Efe
Mario Ruiz/Efe

Greve nacional no Chile pede melhores condições trabalhistas e salariais

Trabalhadores da CUT, estudantes e organizações de diversos setores participam das manifestações

O Estado de S. Paulo,

11 de julho de 2013 | 14h17

SANTIAGO DO CHILE - Uma greve nacional foi convocada para esta quinta-feira, 11, no Chile. A Central Unitária de Trabalhadores (CUT), com o apoio de estudantes e organizações de diversos setores, exige melhores condições trabalhistas e salariais, o termo das Administradoras de Fundos de Pensões e um ensino gratuito, entre outras reivindicações.

Na noite de quarta-feira, dezenas de pessoas lideradas pela presidente da CUT, Bárbara Figueroa, realizaram um "panelaço" em frente à sede do governo chileno. Com bandeiras, cartazes e lenços, quase uma centena de dirigentes e trabalhadores chegaram até a Praça da Cidadania, onde se encontra o Palácio de la Moneda (sede do Executivo), e começaram a soar suas caçarolas e frigideiras - iniciativa que foi repetida em outros pontos da capital chilena.

Antes de chegar à Praça da Cidadania, um manifestante morreu atropelado. Por conta desse episódio, Figueroa afirmou que os dirigentes da CUT dialogaram com a Intendência (Governo) para que o traçado dos manifestantes seja respeitado./ EFE

 
Tudo o que sabemos sobre:
Chilegreve nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.