Greve nacional paralisa transportes e escolas na França

Trabalhadores franceses temerosos com a crise econômica global realizam hoje uma greve nacional. Milhares de professores, carteiros e funcionários do setor médico estavam paralisaram suas atividades. Muitos bancos foram fechados e funcionários do setor industrial de empresas que demitiram também cruzaram os braços. As marchas em protesto estavam programadas para todo o dia, em cerca de 200 cidades do país. A manifestação deixou milhões de crianças sem professores e reduziu o número de funcionários em hospitais e no setor de transporte. Em Paris, usuários dos trens desafiaram as frias temperaturas e seguiram de bicicleta, a pé e até em barcos para trabalhar. Uma lei de 2007 determina que um número mínimo de trabalhadores continue na ativa, mas os trens disponíveis estavam superlotados.Os funcionários do setor ferroviário lideram o que está sendo chamado de "Quinta-feira Negra" na França. A greve enfureceu o governo conservador do presidente Nicolas Sarkozy, que espera que a paralisação dure apenas um dia. Sarkozy não comentou o fato e, segundo auxiliares, acompanha os desdobramentos no palácio presidencial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.