Greve paralisa a Grécia e se torna violenta em Atenas

Polícia calcula que cerca de 30 mil pessoas participaram dos protestos na capital grega

Agência Estado

23 de fevereiro de 2011 | 13h51

Polícia e manifestantes se enfrentaram nas ruas de Atenas.

 

ATENAS - Um protesto de milhares de trabalhadores, funcionários públicos e comerciantes em greve se tornou violento nas ruas da capital da Grécia, Atenas, com os manifestantes entrando em confronto com a polícia no centro da cidade. A greve afetou os serviços públicos e paralisou o país.

 

Centenas de jovens atiraram projéteis, pequenas bombas e coquetéis molotov na polícia, que respondeu com gás lacrimogêneo e granadas. Os conflitos se espalharam para outros pontos da cidade, com a polícia e os manifestantes se enfrentando também perto da Universidade de Atenas e em algumas regiões do distrito empresarial central. Também houve bloqueio de ruas, ataques a lojas e pequenos incêndios em latas de lixo.

 

Escritórios do governo, tribunais e escolas foram fechados, enquanto hospitais e muitas empresas trabalham com equipe extremamente reduzida. As operações dos ônibus, bondes, trens e metrô foram suspensas e apenas a linha férrea de Atenas opera em escala limitada. Quase 50 voos domésticos foram cancelados e os barcos que viajam para as ilhas do país estão parados.

 

A greve nacional de um dia e as manifestações, majoritariamente pacíficas, foram convocadas pelos dois principais sindicatos da Grécia, o GSEE e o ADEDY, que juntos têm 1,2 milhão de membros. A intenção é protestar contra as medidas de austeridade do governo. A polícia calcula que cerca de 30 mil pessoas participaram dos protestos.

 

"Os trabalhadores estão vivendo hoje o maior ataque bárbaro à custa de seus direitos e de suas vidas", afirmou o ADEDY em um comunicado. "Nós temos uma responsabilidade coletiva e pessoal conosco e com nossas crianças de ter sucesso na nossa luta", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
greveGréciaviolênciaAtenas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.