Greve paralisa serviço público na Grécia

Os serviços públicos foram paralisados em toda a Grécia nesta quarta-feira depois que os dois principais sindicatos do país anunciaram uma greve geral para protestar contra o atual programa de austeridade do governo e contra a chegada de especialistas do grupo de credores internacionais em Atenas.

AE, Agência Estado

06 de novembro de 2013 | 08h54

A greve, que foi convocada pelo GSEE e pelo ADEDY, ocorre em meio a reuniões de inspetores internacionais de Orçamento com autoridades gregas. Os encontros visam analisar o que Atenas precisa fazer para garantir a sua próxima tranche da resgate.

Os representantes da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu (BCE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) - grupo conhecido como troica - começaram suas primeiras reuniões na terça-feira, na esperança de chegar a um acordo antes de meados de novembro, quando ministros de Finanças da zona do euro devem decidir sobre o desembolso do próximo pacote de ajuda à Grécia.

Nesta quarta-feira, as atividades dos escritórios de governos locais e da administração central foram paralisadas devido a greve. Além disso, escolas e órgãos jurisdicionais foram fechados ao mesmo tempo em que hospitais públicos operavam apenas com uma equipe básica. Serviços de transporte também foram interrompidos, o que levou ao cancelamento ou atraso de dezenas de voos na Grécia, por causa de uma paralisação dos controladores de tráfego aéreo. Serviços de balsas para as ilhas mais distantes do país também foram suspensos e o transporte público em torno da capital, Atenas, estava operando em um horário reduzido. Jornalistas gregos também suspenderam suas atividades em uma demonstração de solidariedade aos grevistas. Com informações da Dow Jones Newswires

Mais conteúdo sobre:
Gréciagreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.