Gripe avícola: já são cinco os mortos na Tailândia

Outras quatro pessoas com suspeita de terem sido infectadas pelo vírus da gripe avícola morreram na Tailândia, informou o Ministério da Saúde local. Ao todo, há dez casos suspeitos de contaminação humana no país, inclusive as quatro mortes anunciadas hoje na província de Sukhothai e um homem de 56 anos que faleceu na sexta-feira. Os cinco suspeitos sobreviventes são crianças. O governo aguarda os resultados dos testes para ver se as vítimas foram contaminadas pelo mesmo vírus que vem se alastrando pelas granjas asiáticas. O ministério havia confirmado no início da manhã a morte de um menino de seis anos, que se tornou a primeira vítima fatal da doença no país. Horas depois da confirmação, o pai da vítima acusou o governo tailandês de ter encoberto o surto de gripe avícola no país e de ter escondido informações que poderiam ter salvado a vida de seu filho. "O governo sabia, então porque eles não disseram ao público para nos protegermos?", questionou Chamnan Boonmanut, agricultor e pai do menino. O ministério tailandês da Agricultura informou hoje que não há uma previsão sobre quando as exportações de frango deverão ser retomadas. Diversos países proibiram as importações de carne de frango e produtos da Tailândia desde que o governo assumiu que seu plantel tinha sido contaminado pela doença. O vice-ministro da Agricultura, Newin Chidchob, disse em entrevista coletiva que, considerando o crescimento no número de áreas afetadas - dez províncias até o momento -, ainda é muito cedo para saber quando o país vai reconquistar a confiança dos importadores de frango. O ministro tailandês da Agricultura, Somsak Theapsutin, disse que o combate à doença pode levar cerca de um mês e que o governo está tomando as medidas necessárias para conter a disseminação do vírus para outras regiões. Enquanto isso, exportadores tailandeses de carne de frango pediram ajuda ao governo para driblarem a crise da indústria. "O governo deveria pedir ao Japão que aceite produtos tailandeses derivados de frango cozidos e processados o mais rápido possível", disse Pornsil Patcharingtanakul, vice-presidente do Charoen Pokphand Group, maior conglomerado de agronegócio da Tailândia. De acordo com o Ministério da Saúde, o vírus H5N1 pode ser destruído pelo calor durante o processo de cozimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.