Gripe suína: Egito pode botar peregrinos em quarentena

O ministério da Saúde do Egito advertiu que os egípcios que pretendem participar neste ano da peregrinação anual a Meca, na Arábia Saudita, podem ser colocados em quarentena quando voltarem. As autoridades de saúde temem a exposição das pessoas ao vírus A(H1N1), da gripe suína, durante a peregrinação que atrai milhões de pessoas. Em entrevista publicada hoje no jornal independente "al-Masry al-Youm", o ministro Hatem al-Gabali disse que nos últimos anos milhares de egípcios voltaram da peregrinação doentes.

AE-AP, Agencia Estado

20 de maio de 2009 | 13h48

Nem a Arábia Saudita nem o Egito registraram casos da gripe suína, mas há preocupações de que alguns dos cerca de 3 milhões muçulmanos de todo o mundo que participam da peregrinação possam ficar infectados. Al-Gabali disse que a opção pela quarentena está sendo estudada, mas nenhuma decisão foi tomada. A peregrinação deve ser feita por todo muçulmano que tiver condições financeiras de fazer a viagem, pelo menos uma vez na vida.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suínaEgitoperegrinação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.