Gripe suína faz 129 casos no Japão; OMS abre reunião

O número de casos da gripe suína no Japão chegou a 129, com mais 33 pacientes confirmados nesta segunda-feira, segundo cálculos da agência de notícias Kyodo. Em meio à rápida disseminação do vírus no país, o primeiro-ministro Taro Aso pediu calma à população. Aso fez o pedido quando o total de casos estava em 92, de acordo com a contagem oficial.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

18 de maio de 2009 | 02h36

Numa reunião da força-tarefa do governo criada para cuidar da epidemia, Aso afirmou que as autoridades japonesas não pretendem pedir aos cidadãos para evitarem reuniões ou diminuírem a atividade nas empresas.

Com o número de casos no mundo disparando para mais de 8 mil e o Japão fechando centenas de escolas para combater a epidemia, a gripe suína deve dominar as discussões da assembleia anual da Organização Mundial de Saúde (OMS), a ser aberta nesta segunda-feira em Genebra.

O vírus A/H1N1 já teve um efeito sobre a reunião dos 193 países-membros: a OMS propôs o encurtamento do encontro, de 10 para cinco dias, a fim de minimizar o tempo em que as principais autoridades de saúde ficam fora de seus países. A agência disse que os ministros precisam voltar para coordenar esforços nacionais contra a gripe, que já atingiu pelo menos 39 países em menos de um mês.

No Japão, a maioria dos pacientes infectados foi registrada entre os estudantes do ensino básico e das escolas secundárias, e em torno das cidades de Kobe e Osaka, no oeste do país, onde as autoridades ordenaram que mais de mil escolas e pré-escolas ficassem fechadas nesta segunda-feira.

Mais de 70 pessoas morreram em decorrência do vírus - todas elas nas Américas e quase todas no México, onde foi detectada pela primeira vez a variante nova do vírus da gripe suína. No domingo, as autoridades de saúde do Chile registraram o primeiro caso do país, que se tornou o 40º afetado. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suínaJapãoOMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.