Groenlândia corta subsídios de Papai Noel

Cerca de 25.000 crianças de todo o mundo, que enviaram cartas com pedidos e cartões de Natal para a Groenlândia, ficarão sem uma resposta de Papai Noel, porque o governo local cortou o subsídio para os selos do bom velhinho. Desde 2002 que a organização Papai Noel da Groenlândia, composta por voluntários, está sem 1,7 milhão de coroas (US$ 306.000) anuais, montante doado pelo Estado para pagar a postagem das respostas às cartas.Papai Noel perdeu o subsídio em meio a um programa de austeridade fiscal. A organização está desolada. "Fomos forçados a fazer isso", disse Anders Laesoe, que se identificou como ajudante de Papai Noel. "É triste e terrível para as crianças que não entendem". Laesoe disse que o grupo está em busca de patrocinadores para o próximo ano.Mas, mesmo em 2004, nem tudo está perdido: o website do grupo recebe centenas de e-mails, e os voluntários garantem que todas as mensagens eletrônicas foram respondidas. "Papai Noel responde a todos os e-mails que recebe", garante Laesoe. "E-mails não levam selos".Assim como a Finlândia, Suécia e Noruega, a Groenlândia se proclama o verdadeiro lar de Papai Noel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.