Grupo ameaça oleodutos se EUA não deixarem Najaf

Um grupo que afirma ter ligação com a militância do clérigo xiita Muqtada al-Sadr assumiu a responsabilidade pelo ataque ao poço de petróleo de Amara, no sul do Iraque, no domingo e ameaçou atingir os principais oleodutos do sul do país se as forças norte-americanas não deixarem a cidade sagrada de Najaf. O poço do Amara não faz parte do principal complexo exportador de petróleo ao sul do Iraque. "Colocamos fogo no poço em Amara. Foi apenas uma advertência ao governo do (primeiro-ministro Iyad) Allawi e às forças de ocupação, de que explodiremos a principal linha de exportação no sul se não deixarem Najaf em 48 horas e acabarem com o cerco à cidade", diz nota datada de 16 de agosto distribuída via internet e assinada pelo Grupo de Ação Secreta do Exército do Iman Mehdi. A autenticidade do comunicado não pôde ser verificada. O maior oleoduto dos dois principais ao sul do Iraque, que levam petróleo aos terminais do Golfo Pérsico, está fechado desde 9 de agosto, por questão de segurança. Ontem, um porta-voz da indústria disse que o oleoduto voltaria a operar em 48 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.