Grupo armado ameaça realizar 'luta sangrenta' na Nigéria

Insurgentes pretendem interromper exportação de petróleo para defender direitos da população do país

Efe,

04 de janeiro de 2008 | 08h24

A violência na região petrolífera da Nigéria, que influiu na alta do preço do petróleo para até US$ 100 dólares, corre o risco de se intensificar, depois que o maior grupo de milicianos ameaçou realizar uma "luta sangrenta" neste ano para interromper a exportação de petróleo do país. A advertência foi feita em nota enviada nas últimas horas aos jornalistas por e-mail pelo Movimento pela Emancipação do Delta do Níger (Mend), que afirma que defende os direitos das comunidades dessa região. A Nigéria é o principal produtor africano de petróleo e o sétimo entre as nações da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), mas, apesar dos recursos naturais, dois terços da população vive abaixo da linha de pobreza. No comunicado, o Mend adverte aos trabalhadores dos Estados petroleiros do sul do país que evitem se aproximar dos postos militares, "porque podem ser vítimas de artefatos explosivos". O Mend é o principal grupo que opera na região do delta do Níger. Suas ações incluem ataques a quartéis policiais e militares, e a instalações petrolíferas, assim como o seqüestro de nigerianos ou estrangeiros que trabalham para a indústria.

Tudo o que sabemos sobre:
Nigériapetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.