Grupo armado liberta 300 curdos sequestrados na Síria

Reféns foram entregues à milícia curdo-síria denominada Unidades de Proteção do Povo; os civis foram raptados quando viajavam de ônibus de Afrin, no norte de Alepo, rumo à capital Damasco

O Estado de S. Paulo

06 de abril de 2015 | 15h56

BEIRUTE - O grupo armado Exército do Islã libertou nesta segunda-feira os 300 civis curdos que tinham sido sequestrados nas últimas horas em uma região localizada a 20 quilômetros a oeste da cidade de Alepo, no norte da Síria, disse à agência EFE, por telefone, o porta-voz do Partido Curdo da União Democrática (PYD), Nawaf Khalil.

Segundo o político, os reféns foram entregues à milícia curdo-síria denominada Unidades de Proteção do Povo. Os 300 civis foram raptados quando viajavam de ônibus de Afrin, no norte de Alepo, rumo à capital Damasco. 

Eles foram sequestrados por um grupo de tendência islâmica. Inicialmente, a informação era de esse grupo seria a Frente al Nusra, braço sírio da Al-Qaeda. Mas depois foi confirmado que o Exército do Islã conduziu o sequestro. 

Não foi a primeira vez que civis curdos são tomados como reféns nas proximidades de Alepo.Em maio, cerca de 150 estudantes curdos sírios foram sequestrados pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI) quando retornavam de Alepo para suas casas em Kobani, no norte da província de Alepo, após realizarem os exames finais.

Posteriormente, os alunos foram libertados pelos radicais. Os curdos representam 9% dos moradores da Síria e vivem sobretudo em Al-Hasaka (nordeste) e nas regiões de Afrin e Ain al Arab, em Alepo.

Nesses três enclaves, os curdos declararam uma administração interina própria, independente do governo central. / EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.