Grupo armado sequestra e mata ao menos 21 nas Filipinas

Violência estaria ligada às eleições para governo de província; políticos e jornalistas estão entre as vítimas

estadao.com.br,

23 Novembro 2009 | 08h06

Homens armados sequestraram e mataram pelo menos 21 pessoas no sul das Filipinas nesta segunda-feira, 23. As vítimas eram parte de um grupo de 30 políticos e jornalistas reféns numa aparente disputa política relacionada às candidaturas para as próximas eleições legislativas no país.

 

"Encontramos 21 corpos. Nossos homens estão rastreando a região para encontrar os demais", afirmou uma fonte militar, afirmando que os reféns foram "assassinados por homens armados". Pouco antes, o porta-voz do Exército, coronel Romeo Brawner, indicou que homens ligados a um poderoso político local teria feito 30 reféns, entre eles alguns rivais políticos e jornalistas locais. Entre os sequestrados estava a mulher de um prefeito da província de Maguindanao, Esmael Mangundadatu, seus assistentes e alguns partidários.

 

Os jornalistas acompanhavam o político, que apresentaria sua candidatura ao cargo de governador da província, de população majoritariamente muçulmana. A rivalidade entre o atual governador, Unsay Ampatuan, e o candidato seria a causa dos sequestros.

 

Entre 50 e 100 homens armados invadiram um escritório da Comissão Eleitoral e levaram as pessoas em três veículos. Pouco depois, um grupo de soldados encontrou os corpos decapitados de treze mulheres e oito homens. Entre as vítimas está a mulher de Mangundadatu.

Mais conteúdo sobre:
Filipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.