AP Photo/Francois Mori
AP Photo/Francois Mori

Sede da campanha de Marine Le Pen em Paris é alvo de ataque

Piso térreo do edifício que abriga a Frente Nacional foi parcialmente destruído por incêndio na madrugada desta quinta; autoridades acreditam que incidente teve 'origem criminosa' e candidata responsabilizA grupo de extrema esquerda por ato

O Estado de S.Paulo

13 Abril 2017 | 04h46
Atualizado 13 Abril 2017 | 12h06

PARIS - A sede da campanha da candidata de extrema direita à presidência francesa, Marine Le Pen, foi alvo na madrugada desta quinta-feira, 13, de uma tentativa de incêndio, de acordo com autoridades francesas.

Os bombeiros "controlaram rapidamente" o fogo, no piso térreo do edifício que abriga a sede em Paris da candidata da Frente Nacional (FN), informou um porta-voz. A origem do incêndio "não é natural. Provavelmente sua origem é criminosa", declarou uma fonte policial. Na fachada do edifício foi pichada a inscrição "FN vs KLX".

"Suponho que se trate de um ato cometido por um pequeno grupo de extrema esquerda. Esses pequenos grupos atuam com total impunidade há meses. Foram eles que destruíram lojas, queimaram veículos durante manifestações, atacaram a polícia", reagiu Marine Le Pen nesta quinta.

O ministro do Interior, Matthias Fekl, denunciou um "ato inaceitável". Um grupo que afirma se chamar "Combater a xenofobia" contactou a agência France Presse para reivindicar o ato, realizado por eles com "coquetéis molotov". No entanto, as investigações preliminares não detectaram evidências do uso de coquetéis molotov, explicou uma fonte próxima à investigação.

A França realiza eleições presidenciais em dois turnos, em 23 de abril e 7 de maio. Marine Le Pen lidera as pesquisas para o primeiro turno das eleições com cerca de 24% dos votos, lado a lado com o candidato independente liberal Emmanuel Mácron. O candidato da extrema esquerda, Jean-Luc Mélenchon, do partido França Insubmissa, está na terceira posição com 18% das intenções de voto. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.